Fatos Curiosos https://www.fatoscuriosos.com.br/2019/05/alguem-na-historia-ja-herdou-fortuna-de-uma-pessoa-desconhecida.html

Alguém na história já herdou a fortuna de uma pessoa desconhecida?


Em algum momento da sua vida, você já deve ter recebido algum tipo de e-mail afirmando que você havia herdado uma grande quantia de dinheiro de alguém de quem nunca ouviu falar, provavelmente até um suposto “príncipe da Nigéria”. Nesse caso, tudo o que você supostamente precisaria fazer para obter a grana seria fornecer vários dados pessoais para verificar se você é quem eles pensam que são, além das informações da sua conta bancária para que a equipe legal do falecido pudesse depositar dinheiro. Obviamente, tudo isso não passa de um golpe realizado na tentativa de obter os seus dados para fins ilícitos, mas será que ao longo da história alguém realmente já herdou uma fortuna de algum falecido totalmente desconhecido? Bem, por incrível que pareça, a resposta é sim! De fato, embora certamente seja incomum, é possível encontrar uma certa variedade de casos desse tipo. Que tal ficar por dentro de alguns dos mais embçemáticos?

Caso 1 – O médico apaixonado pela atriz



Para começar, temos o caso de um homem que ficou conhecido nos jornais americanos da década de 30 sob o nome de “Dr. Meszaros”. O bom médico deixou em seu testamento cerca de US $ 50 mil em 1930 (aproximadamente US $ 770 mil na correção monetária atual) para uma atriz chamada Corin Ward. Inicialmente, isso foi um grande choque para a jovem senhorita Ward, já que Meszaros nunca chegou a sequer se apresentar para a atriz. De fato, antes de receber a inesperada quantia, ela nem sabia que esse cara existia! Por causa disso, os jornais da época presumiram que Meszaros devia estar tão apaixonado pela bela atriz que resolveu deixar todo o seu dinheiro guardado no banco para ela, ainda que não compartilhasse qualquer vínculo com a sortuda.

Caso 2 – A ex-atriz e o amigo do seu pai


Aparentemente, o ano de 1930 foi uma boa época para as atrizes, já que o próximo caso ocorreu no mesmo período e com uma ex-atriz americana chamada Lillian Malrup. Cinco anos antes, em 1925, Malrup já havia herdado US $ 60.000 (aproximadamente US $ 872.000 hoje) de seu tio, George La’Lamontdier. Seu tio havia feito uma boa parte da sua fortuna durante a chamada “corrida do ouro do Alasca”, juntamente com um parceiro de negócios chamado Henri de la Salle. O mais curioso é que cinco anos depois de ter recebido a herança do seu parente, Malrup veio a herdar uma quantia ainda maior, dessa vez do ex-parceiro de negócios de seu tio, o qual ela nunca havia conhecido e que só sabia da sua existência através de algumas referências passageiras que seu tio fizera em cartas enviadas para ela anos antes. Quanto esse misterioso parceiro de negócios deixou para essa jovem que ele nunca chegou a conhecer? Uma surpreendente quantia de $ 700.000 (cerca de US $ 10,7 milhões hoje), o que sem dúvida era uma fortuna que qualquer pessoa gostaria de receber em sua conta, especialmente naquela época, quando a economia americana passava por uma grave crise logo após a queda do mercado de ações de 1929. Depois de receber a notícia mais inesperada de toda a sua vida, a ex-atriz Lillian Malrup decidiu reservar US $ 100.000 (cerca de US $ 1,5 milhão hoje) em um fundo especialmente destinado à doação de bolsas de estudo para estudantes universitários. Uma ação digna de elogios, não é mesmo?

Caso 3 – Os irmãos que ficaram bilionários da noite para o dia



Talvez a maior quantia já herdada por alguém que não conhecia a pessoa que deixou tudo como herança esteja relacionada ao caso de Zsolt e Geza Peladi, que estavam literalmente vivendo em uma caverna perto de Budapeste, capital da Hungria, quando foram meticulosamente rastreados e, em seguida, informados de que haviam herdado mais de US $ 6 bilhões (sim, bilhões) de uma suposta avó que eles nunca chegaram a conhecer. Surpreso com a quantia herdade, Geza tentou relembrar algumas supostas pistas familiares que pudessem ajudar a entender a origem da herança. Segundo ele, a sua mãe já havia dito algumas vezes que era descendente de uma família muito rica da Hungria, mas ela era uma pessoa de temperamento difícil e por conta disso resolveu cortar os laços familiares com seus pais. Na verdade, ela era uma pessoa tão “difícil” que abandonou Zsolt e Geza quando eles ainda eram jovens, o que ajuda a explicar a péssima condição financeira na qual eles viviam. De fato, de acordo com Geza, a avó nem sabia onde a dupla morava. Foram seus advogados que souberam de seus nascimentos cerca de quatro décadas antes e contrataram alguém para rastreá-los e dar-lhes todo o dinheiro que eles tinham direito.

Tá mas, o que acontece com os bens de quem morre sem deixar um testamento?


Na maioria dos países, quando alguém morre sem um testamento ou simplesmente morre com um testamento que não é válido ou aplicável por qualquer motivo, ele é classificado como “intestado”. Em muitos casos, isso acaba resultando na transferência da propriedade ou dos bens financeiros para algum tipo de departamento jurídico do governo, que poderá ser tanto estadual quanto federal. Inicialmente, o departamento deverá fazer os seus melhores esforços para tentar localizar os parentes vivos mais próximos do falecido. No entanto, se os investigadores governamentais não conseguirem encontrar um parente de sangue apto a receber o direito, o ônus recai sobre um herdeiro em potencial do falecido para fazer uma reivindicação, como por exemplo “o marido de uma tia de sangue”. Se uma correspondência for encontrada, uma das primeiras coisas que um requerente em potencial deve fazer é descobrir onde ele se enquadra na chamada “ordem de prioridade”, que geralmente começa com os graus de maridos, esposas e filhos, mas que também abrange tias, tios e os seus respectivos filhos. Ou seja, em essência, qualquer um que se enquadre em uma dessas categorias pode, teoricamente, reivindicar uma propriedade ainda não reclamada. Se a sua reivindicação não for aprovada por quaisquer que sejam os motivos, a propriedade ou os bens deverão ficar com o governo, que por sua vez poderá leiloá-los em um determinado período de tempo ou fazer qualquer utro uso da herança.

E você, já ouviu falar em algum caso parecido? Compartilhe o post e deixe o seu comentário com a gente!

Fonte: TriCurioso

Compartilhar:

Assine e receba novidades!

Notificação